24/02/2016 às 08h13min - Atualizada em 24/02/2016 às 08h13min

Safra ruim da uva em SC deve afetar mercado de vinhos em até 4 anos

O excesso de chuva e o inverno com temperaturas mais altas do que o normal não ajudaram no desenvolvimento da uva nas vinícolas de altitude de Santa Catarina. De acordo com a Associação Catarinense dos Produtores de Vinhos Finos de Altitude (Acavits), este ano o estado vai colher 30% a menos que o ano passado, como mostrou a RBS TV (veja vídeo acima).

Além de queda na qualidade da fruta, a produtividade dos parreirais despencou. Uma vinícola de Água Doce, no Oeste do estado, já chegou a colher 180 toneladas de uva. Neste ano, colheu apenas 16 toneladas.

Para o engenheiro agrônomo Edgar Favarin, foi uma safra "decepcionante". "Começamos com uma geada tardia, em setembro, que levou praticamente 60% da nossa produção de uvas. Temos uma média de chuva de 1.600 milímetros por ano. Neste ano tivemos mais de 2.500 milímetros".

Dólar alto eleva vendas
O que ameniza as perdas no campo, por ora, é o câmbio. Com o dólar alto, as vendas de vinhos nacionais estão aumentando.

"Nós não lançamos vinhos brancos com menos de um ano ou dois e tintos com menos de quatro anos. Então, ainda estamos com esse estoque normal, aproveitando este cenário positivo para o vinho nacional", disse o diretor comercial da vinícola de Água Doce, Guilherme Grando. Segundo ele, a safra ruim vai se refletir mais daqui a três ou quatro anos.

Como o preço do dólar, assim como o clima, pode mudar a qualquer hora, o setor cobra mudanças na tributação em busca de dias mais estáveis e de maior competitividade.

"Tem países que trabalham com 8%. Aqui no Brasil é 53%. O que buscamos não é um mercado que se valorize pela falta do importado, mas sim que se valorize por uma tributação justa. Que equipare a produção nacional com os lá de fora. Temos qualidade para isso", finalizou o diretor comercial.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »