29/01/2016 às 09h18min - Atualizada em 29/01/2016 às 09h18min

Novo prazo para convocar aprovados na polícia é junho, diz governo de SC

O governo de Santa Catarina afirmou nesta quinta-feira (28) que os 1.294 aprovados nos concursos da Polícia Militar, Polícia Civil e Instituto Geral de Perícias (IGP) deverão assumir os cargos a partir de 1º de junho, "em chamada única". O ingresso já foi adiado outras vezes.

Na terça-feira (26), o governo chegou a afirmar que os 658 aprovados da Polícia Militar deveriam ser chamados em março e novembro deste ano. Além deles, serão chamados em junho 420 agentes da Polícia Civil e 66 delegados. No IGP, serão 150 auxiliares criminalísticos

"Nossa ideia original era contratar metade em março e metade em novembro. Mas os estudos e os encaminhamentos mostram que o melhor é contratar todos ao mesmo tempo", disse o governador Raimundo Colombo.

Segundo o governo, a alteração nas datas tem o objetivo de respeitar a entrada em vigor do novo regime previdenciário  SC Prev, previdência complementar para novos servidores públicos do estado.

A nova data também "respeitará a capacidade financeira dessa nova despesa com o pagamento de salários, cujo o valor será de aproximadamente R$ 8 milhões por mês", informou o governo.

"Pela questão da previdência e da Lei de Responsabilidade Fiscal, a data que estamos definindo é 1º de junho. Todos eles serão chamados nesse dia. A partir daí providenciarão a doocumentação e passarão pela fase de qualificação", completou Colombo.

Ainda de acordo com o governo, a chamada única vai permitir "uma melhor gestão operacional" e "otimizar os recursos públicos no processo de formação".

Apreensão
Como mostrou uma reportagem exibida pelo Jornal do Almoço na terça (26), o clima entre os selecionados para atuar na PM é de expectativa e apreensão. "No momento, estou com alguns pontos de interrogação na cabeça. Eu me planejei com base em um edital, mudei a minha vida e hoje em dia eu não sei o que será", disse Fernando Cordova, que largou a carreira de comissário de bordo para ser policial.

"Prejudica todos aqueles aprovados que estão na mesma situação, aguardando, desempregados, já com enxoval em casa. Vai trazer muito prejuizo para o estado e para os aprovados", diz o desempregado Cristian Medeiros.

Muitos mudaram de vida, largaram empregos e agora estão com medo de que o novo prazo não seja cumprido. Leonardo Bittencourt era vendedor em Araranguá, no Sul do estado, e agora está desempregado. "Hoje a gente tá vivendo com ajuda de familiares, pedindo dinheiro emprestado para pagar as contas, tocar a vida", diz Bittencourt.

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »